Muito além das paredes


 

O que voce vê nessa pintura do Vermeer? Eu tenho uns bons livros editados nos anos 90 só sobre esse pintor, falam da vida do cara e das técnicas que ele conseguiu juntar e aprimorar, mas perdi o que eu dei pra UERJ do meu estudo sobre ele. O quê eu havia escrito? Será que como a maioria fiquei presa as cores e as linhas? Será que dei o meu jeito, a minha língua ao que outros já falaram dessa pintura? Será que eu via outras coisas que eu acharia ‎interessante hoje se pudesse lê-las?1280px-Jan_Vermeer_van_Delft_025

Hoje vejo 100 mulheres trabalhando, crianças jovens e senhoras, é só fazer a conta. Todo dia é igual mas de repente a chuva cessa e rapidamente pega a linha e borda-se o resto da tulipa na nesga do crepe. Não se trabalha de acordo com a vontade; quem manda é ‎a luz, esta delimita suas horas de ‎produtividade. Momentos mais tarde satisfeita com o coalho do leite que virará queijo, a senhora ao fundo virá para fora com outra ‎ferramenta e examinará as marcas que a lama faz sobre a parede pintada de cal. Irá estudar se gastará da sua energia com o sabão, que também era razoavelmente caro, ou irá dar outra de mão de cal na casa mesmo que a chuva não dê ‎trégua.564739_235909503174297_804239846_n


Lendo artigos repassados por umas conhecidas, cheguei num que defendia a seguinte tese: “pessoas não-inteligentes caem na lábia de grupos radicais”, eu mesma já escrevi isso um par de vezes. O artigo mostrava por a mais b como isso ocorre, eram umas dezenas de entrevistas conduzidas por catedráticos. Visava também não ofender ninguém. Só que isso nao exatamente extingue alguém de cair como um pato se considerando e se CONDENANDO um representante do machismo, de morais conservadores ou políticas de extrema direita. No artigo talvez de picardia, talvez por falta de espaço, não explica sobre o que é uma política conservadora, como au passant havia deixado a minha experiência imbuída de fatos históricos e interrelações acadêmicas. Como é interessante ver a carapuça caindo naqueles que se deparam com um texto desses que abre os olhos. Seria muito deselegante com a Cinderela se usássemos o chavão Sapatinho de cristal com tais radicais. Carapuça é coisa de barata e outras pestes, encaixa-se perfeitamente.

O Brasil está sobre os olhares de toda a opinião pública no mundo e isso acaba se refletindo no dia a dia. É importante se ligar em tudo que envolve a Amazonia, o  consumo de carne está fortemente atrelado, por exemplo. Os estrangeiros estão armados dos pés a cabeça com tais questões, revirarão a sua posição, seja voce dono de 3 prédios na orla da praia, seja voce uma manicure. No entanto se ocupa, se perde, se gasta em provocar a populacho com questões arcaicas do qual o Iluminismo cerca de 250 anos atrás passou a limpo.

Acabei por me deparar com um homem negro que trabalha numa creche em uma periferia de Oslo e é evangélico. Não consigo me ver batendo boca com um sujeito desses, não me sinto no dever de mostrá-lo o que foi a ditadura militar nos anos 70 aonde torturaram mulheres grávidas, me sinto no direito de conter sua propaganda de fundo religioso e de milícia (!), principalmente no quesito que outros noruegueses hão qualificar qualquer brasileiro com base no que esse sujeito defende. Ele respondeu assim ao artigo em apenas um parágrafo:

– Ate parece que as ideologias liberais tem mudado o mundo.– (Coitada da Princesa Isabel! Se eu ouvisse isso ao vivo e a cores eu iria gargalhar na cara do sujeito e me retiraria. Será que ele esqueceu que os afrodescendentes foram libertos por ideais dos partidos com políticas liberais? Um dos motivos de terminarem, se não o maior, para o golpe republicano foi a ABOLIÇÃO…)

– Cada dia mais mulheres abortam apenas por abortar pois em um mundo que vivemos todos sabem como se evitar um filho. E o pior. Os psicólogos e pessoas que sao a favor do aborto nunca falam das consequências psíquicas que uma mulher sofre depois levando muitas a serem doentes mentais pro resto da vida ou ate a se mataram (“Mulheres” passem a contar essa palavra em todas as frases desse sujeito. “Evitar um filho” seria melhor que todos entendessem como evitar um estupro. Seria melhor entender que sem educação sexual evitar filho é difícil e fica impossível não evitar um aborto.)

– O liberalismo leva a isto. (Aqui eu saquei de vez que o cara encontra dificuldades em entender o significado de termos. Em “liberal” ele identifica apenas ao conceito moral que usamos adjetivamente e não o primário, que é para política-econômica. Ele não vai perceber assim tão rápido que a política reacionária quer defender meios para escravizar, que visa uma única serventia: a da hierarquia dogmática sem lógica.)

A liberação do sexo deia jovens cada mais vazios usando e sendo usados e o numero de jovens deprimidos tem aumentado levando muitos ao suicídio por viverem uma vida sem freio, sem regras e sem limites. (Uma das maiores causas de suicídio feminino é a ocorrência de violência sexual durante a infância e adolescência por familiares ou externos. Eu não tinha nenhuma fonte concreta até a minha vizinha que é psicóloga da Policia de Stavanger afirmar categoricamente isso, ela estudou em Manchester, Inglaterra, a pesquisa é britânica mas ocorre em igual incidência por aqui. Os índices são alarmantes de republiquetas católicas ou mulcumanas aonde um número enorme de adolescentes se matam todos os dias porque esses países ignoram políticas em torno do tema aborto, usufruindo de dogmas religiosos pra suas políticas. El Salvador chamou a atenção da Onu e esta pediu que revisem suas leis.)

– Liberação de drogas também ja provou que nao leva a nada tanto que a Holanda esta tentando voltar a proibir tal coisa. Liberalismo Feminino ao extremo so serve pra denigrir a mulher. Mulheres em praça pública mostrando a vagina e bunda na frente de todo mundo que passa sem um respeito ate as crianças que ali estão, fazendo seus protestos de que nao precisam de homens quando todos precisam de mulheres e mulheres pois a sem homem e sem mulher nao existira mundo humano. (A gente ri, mas isso é que elege os crápulas no congresso. É tanta da vulgaridade nas expressões…)

– Gracas a Deus nao sou liberal e sou bem conservador mesmo e muito inteligente. falo 4 linguas, tenho 3 diferentes formação, (Formação dele em “teologia”; existe curso de teologia na UERJ e na PUC, aonde ele fez esse curso?)

– Este liberalismo (…), sem valores que no mundo nada preenche o ser humano e ele vai la e se mata depois de ter provado de tudo e não ter conseguido algo que de fato o faca sentir satisfação. (I got no satisfaction. Repetição chorus.)

Daniel em seus melhores momentos na tentativa dividir conhecimento e ajustar o cara ao tempo que vivemos. Tive um feeling que esse senhor se debandou de vez, seus motivos adoraria ouví-los para rir mais:

(…) a prática liberal ou neoliberal piora vários problemas sociais e de saúde pública. (…) é uma questão difícil mesmo porque o liberalismo anda de mãos dadas com o industrialismo, né? (…) o conservadorismo exagerado não dá samba. Não deu na Itália nos anos 20, nem na Alemanha nos anos 30, nem no Brasil depois de 64, (…) é muito fácil pregar o conservadorismo como resposta aos problemas do liberalismo. (…) – o meu amigo me conquistou com o uso do “né” nessa situation, uma condicional de inclusão.

-Se pelo menos o cara (se) fizesse perguntas. Se tornasse empático. Sao muitas convicções já formadas, um total brainwashing.  – expliquei.

– Ultimamente as pessoas estão muito no automático. Isso assusta. – Assusta alistá-lo como alistaram pessoas para torturarem quem pregava a liberdade, entenda: o seu direito primordial de ir e vir. E tem a história do Zweig na Franca aonde ele apontou o perigo da forca manipuladora da mídia, que se fazia imprensíndivel um controle nisso pra que a democracia não 13124440_840551472723543_4024485209835748895_nesmoreça. Alemães e franceses se alistaram na primeira guerra mundial e lutaram morreram por discursos & boatos inflamados nos jornais.


Depois de 3 ou 4 testículos como aquele acima  no intuito de responder ardorosamente um artigo,
ele continuou a postar comentários impublicáveis que queimam imensuravelmente o filme dele.  2 ou 3 brasileiras radicadas na Norô, tiveram, não só a coragem, mas a paciência de desmontar as pecas desse samba do crioulo doido e empilhar os pensamentos numa torre estável. Foi a união delas contra um modelo falido misógino & homofóbico. Janaina concluiu em meio a centenas de pensamentos pertinente e bem vindos:

-Eu acho que é uma qualidade reconhecer suas próprias limitações.

12885981_1173469772677947_136105122557841331_oTalvez Vermeer nao estava estampando aquela casa como um símbolo de muitas casas iguais concebidas só pra as mulheres trabalharem o dia inteiro para as suas famílias. Talvez ele pintou aquilo mesmo porque a casa era mais fácil de pintar e devia ser a casa de frente da dele. A sua caixa obscura funcionava legal ali, talvez estivesse vendo demais nessa minha última análise sobre o holandês. Não quero ver demais sobre esse senhor de Oslo, que parece bem engrenado com o seu trabalho e sua família apesar de algumas ponderações que me veem a cabeça. Não quero participar dessa da falta de tolerância que divide a país. Torco pelo mais positivo no papo conduzido por 2 nordestinas e 3 cariocas tenha deixado uma sementinha na cabeça desse fluminense.

Anúncios

Publicado por: This Leksus

Naturalmente carioca da gema. Levantei a bandeira da união dos estudantes em 1990. Depois que vi que a bandeira era tipo lilás, caí fora, mas mantive contatos do setor cultural aonde fui a curadora por 2 anos seguidos no periódico e da rádio interna. Essa mídia chegava à 2000 estudantes em 1992. Participei de cursos de pintura abstrata com Mollica (1947-2013) e desenho Modelo Vivo com Giancarlo Bonfanti na Escola de Artes Visuais do Parque Laje de 1987-1992 e em outros institutos de arte. Estudei na USU, UERJ & UFRJ, arquitetura e urbanismo, Educação artística & Figurino respectivamente. Meu primeiro projeto foi a fonte do Banco do Brasil com seu logotipo, nas dependências da Agencia I do Banco no Rio de Janeiro. Em 1995, cursei por um breve período a Escola Politécnica de Lisboa, aonde desenvolvi uma tese sobre o Manuelino. Muitas descobertas, e não parei de fazer cursos extras em outras grandes universidades cariocas. Senai Cetiqt, Universidade Candido Mendes, UIS (Noruega). Trabalhei com Alexandre Hercovich para Semana da Moda no Rio em 1997. Nos anos seguintes criei o cenário e costumes para a peça Frida Kahlo no Teatro do Museu do Catete. Nessa época comecei a trabalhar como Dj e me destaquei na área até 2010, quando decidi encerrar essa atividade e me dedicar a gravura & tradução. A partir de 2005, anualmente, faço instalações e exibições de pinturas, desenhos, edições de livros, mosaicos e gravuras. Em 2010 comecei a me infiltrar na área de tradução e interpretação, também como uma ação social. O que faz voltar intensamente para escrita e leitura, e me dispersar pra outras línguas, como dinamarquês, francês, italiano & espanhol.

Categorias arte, cultura saber, diário, memórias, politica, sociologicoTags, , , , , , , , , 4 Comentários

4 comentários sobre “Muito além das paredes”

Qual seria a sua perspectiva sobre esse assunto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s