Bundismo


Quando eu me mudei para a Tijuca em 1983, logo veio Carnaval. Automaticamente fui com todas as crianças do meu prédio festejar no Tijuca Tenis Clube a bendita paralisação de verão.ff1

Entre as crianças uma menina havia sido estipulada para ser a minha dama de companhia. Ela era da mesma idade que eu e era uma menina. O grupo até haviam meninas mais novas e muitos meninos da mesma idade que eu. Tive que acatar a decisão dos adultos.

Ela por um par de anos foi a minha pior companhia. Não julgo as pessoas pela sua aparência, mas invariavelmente se julga por alguma coisa (tente não fazer). No meu caso, pelo grau de concordância com o opressor. Essa menina era católica demais da conta, as novelas exibidas pela Globo e a Xuxa eram o mais próximo de uma expressão artística que ela conhecia.

Pela televisão são transmitidos e sonhos são moldados. Aquela garota tinha a sua mae toda pra ela, a cidade do Rio cheia de oportunidades visuais, interativas, um mundo de gente para se sociabilizar, pra que que ela insistia em ser tao cafona, tao de acordo com o processo reacionário? Eu havia feito minhas escolhas e essas incluíam a liberdade, a verdade e o conhecimento.

Olhando recentemente a vida da Lola, vi o quanto a mae dessa menina estava lá acorrentada a casa, ao carro e os deveres de casa do seus filhos. Na última vez que eu conversei com a Lola ela me falou o seguinte:

O dia mais infeliz da minha vida foi quando eu descobri que o Papai Noel não existia. Pra que tirar isso das crianças?

– Porque isso nao é real. Dou muito valor ao que a minha mae gasta em me dar presentes, que é fruto do tempo que ela sua no banco distante de mim. – Lola não entendia a minha realidade e pouco se lixava¹… mas ninguém também estava pedindo isso pra ela, né?

Não dividi o meu dia mais infeliz e acho que não tenho espaço para isso em palavras, haviam sido muitos que  procurei abafá-los através da musica e dos filmes que transmitiam o que mais me apela, achei uma excelente saída. A Lola naturalmente não precisava disso.

Eu devo ter esbarrado com muitas outras Lolas na vida. Acabei (não sei se fiz certo) me desviando pois sei que não iria agradarNem mesmo uma zoeira junto aconteceria, sim seria bom, porém saberiam sintonizar as brincadeiras? – não. Levam a serio demais seus animais de estimação, suas religiões e nada a sério das belas produções dos homens, dos dramas de seus próximos, da estória de todos nós nesse planeta.

No meu mundinho de 12 anos de idade a Lola era a menina com o maior número de produtos da Xuxa no quarto e isso não era onda². Meu mundo avançou barreiras, se esticou ao velho continente, leio livros e artigos de jornais de diversas partes do globo e num dado momento nessa transição, em março de 2001 eu vi pela televisão o grupo extremista islâmico Taliban implodir o maior Buda esculpido do Afeganistão com 53 metros. Nessa época acho que a Lola se alforriava de sua mae e toda a tralha da Xuxa foi pro lixo. Taller_Buddha_of_Bamiyan_before_and_after_destruction

Essa estátua e mais 4 mil localizadas no museu em Kabul viraram poeira porque eram consideras ofensivas, um preceito muçulmano contrário a adoração de imagens como já havia mencionado no O legado de cada dogma. Essa estátua gigante do Buda que eu vi pela tv ser desintegrada era datada do século V pela classificação da ONU.

Apesar dos vários apelos internacionais, inclusive de países muçulmanos, a intolerância com pretextos religiosos não poupou as estátuas. Após doze dias de tentativas frustradas de negociação, (…) revoltado o vice-diretor cultural da Unesco, Mounir Bouchenaki, referiu-se aos atos do Taliban como um crime ao patrimônio histórico-cultural da humanidade. – (retirado do site Historianet).

A agressao pode tomar formas diversas. Quando eu via o quarto daquela garota disciplinada pela mae cheio de Xuxas, aquilo me agredia. A Xuxa era no final dos anos 80 um produto dirigido as crianças de 2 à 12 anos, mesmo que seus marqueteiros avançassem esse limite. Nos anos 90 a rebatizai de Krusty³ tupiniquim. Com 10 anos de idade, eu deixava muito claro, que havia crescido e não era conveniente pra mim produtos produzidos para ao mercado infantil.

UnknownO produto Xuxa é um sinônimo latente da vulgarização à tudo, a moda, musica, dança, alimentação, tudo que podia ser industrializado, vendido as crianças como coisas do momento, inclusive o tipo de moca que você irá ser. Eu não era loira.

Per Fugelli um médico e filosofo norueguês chegou a conclusão que o negócio é se lixar pra achar a paz. Como “Marxista” me lembrei da ocasião que o Groucho recebeu em seu camarote um velho camarada do bairro. Se cumprimentaram e logo o artista perguntou ao velho conhecido o que ele havia achado do show que acabara de ver. “Aquilo não era importante e se estiver precisando de ajuda que não hesite em visitar-me no escritório”, replicou o moco que era o mais afiado na escola da patota deles de rua. Groucho complementa o quadro dizendo que já naquela época ganhava 4 vezes mais que aquele advogado suburbano. “Uma ova isso não é importante, aquilo é meu trabalho, é importantíssimo pra mim” – o comediante deixa essa parte em letras explícitas. E fecha com sua assinatura particular politicamente incorreta: “O pior é ver o cara casado com uma mulher sem sal e sem beleza ao mesmo tempo.”marx

Tenho muito orgulho por ser carioca por causa desse gesto carnavalesco de zoar as asneiras cometidas em Terras Brasilis e no mundo. Se transvestir de gente que foi tema de debate, gente que achava que estava por cima da carne seca, por uma massa de gente em alegria contagiante. Na festa se pratica esse negócio de não se levar a sério demais, de ser bundalelê.

NF: A Lola passou a vida inteira sonhando em ser veterinária para trabalhar com animais de estimação,  hoje ela é microbiologa da Fio Cruz. Salvei ela daquela cigarra, havia ficado preso no seu cabelo. O que não passa desapercebido hoje é o seu companheiro… faria um comentário pior que o do Groucho, “dá medo”.


¹: Nao se importava.

²: Socialmente prestigiado.

³: É o palhaço e o apresentador de programas de televisão em horário aberto à todas as idades dentro da série Simpsons que faz uma sátira ao modo de vida norte-americano. O próprio Groucho é uma das entidades que inspiraram a concepção do Krusty, por causa do charuto e de uma série de piadas “naturais” que se faz de ímpeto – extremamente adultas – diante de um público infantil.

Tupiniquim: sao os índios amigos dos portugueses, que não são os franceses, já os franceses fizeram aliança com os Tupinambás.

Por cima da carne seca: Quem manda.

Anúncios

Publicado por: This Leksus

Naturalmente carioca da gema. Levantei a bandeira da união dos estudantes em 1990. Depois que vi que a bandeira era tipo lilás, caí fora, mas mantive contatos do setor cultural aonde fui a curadora por 2 anos seguidos no periódico e da rádio interna. Essa mídia chegava à 2000 estudantes em 1992. Participei de cursos de pintura abstrata com Mollica (1947-2013) e desenho Modelo Vivo com Giancarlo Bonfanti na Escola de Artes Visuais do Parque Laje de 1987-1992 e em outros institutos de arte. Estudei na USU, UERJ & UFRJ, arquitetura e urbanismo, Educação artística & Figurino respectivamente. Meu primeiro projeto foi a fonte do Banco do Brasil com seu logotipo, nas dependências da Agencia I do Banco no Rio de Janeiro. Em 1995, cursei por um breve período a Escola Politécnica de Lisboa, aonde desenvolvi uma tese sobre o Manuelino. Muitas descobertas, e não parei de fazer cursos extras em outras grandes universidades cariocas. Senai Cetiqt, Universidade Candido Mendes, UIS (Noruega). Trabalhei com Alexandre Hercovich para Semana da Moda no Rio em 1997. Nos anos seguintes criei o cenário e costumes para a peça Frida Kahlo no Teatro do Museu do Catete. Nessa época comecei a trabalhar como Dj e me destaquei na área até 2010, quando decidi encerrar essa atividade e me dedicar a gravura & tradução. A partir de 2005, anualmente, faço instalações e exibições de pinturas, desenhos, edições de livros, mosaicos e gravuras. Em 2010 comecei a me infiltrar na área de tradução e interpretação, também como uma ação social. O que faz voltar intensamente para escrita e leitura, e me dispersar pra outras línguas, como dinamarquês, francês, italiano & espanhol.

Categorias arte pop, cronica, memórias, religiaoTags, , , , , , , , , , , , , , , , , , , 2 Comentários

2 comentários sobre “Bundismo”

Qual seria a sua perspectiva sobre esse assunto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s