Tataravós


Meu tataravô se chamava Joaquim Pinto de Souza, nasceu provavelmente em 1857 e morreu em 1929, aos 72 anos, de acordo com informações de Dona Alzira, sua neta e minha avó. A minha tataravó se chamava Dona Maria Pinto de Souza, nasceu em 31 de janeiro de 1870 e morreu em 1953 com 83 anos.

A minha avó, Alzira Souza Camargo, nascida a 17 de maio de 1924 foi criada pelos avós e dormia junta com eles. Ela carrega com orgulho os princípios decorrentes da educação que recebeu de sua avó. Deixando arquivados aqui um deles: “Sempre deixe espaço no estômago após a refeição.” – O que eu deveria lembrar com mais freqüência.

A vovó e seus avós viviam no bairro de subúrbio industrial do centro da cidade do Rio de Janeiro, São Cristóvão, que se extende da Tijuca ao Caju. Após o colapso do regime imperial de 1989 (ou golpe republicano), o bairro mudou seu estilo característico de aristocrático para proletário e recebeu muita imigração. Nos anos 20, 50% dos seus ocupantes eram estrangeiros.

Vieram das Amarantes; lá, ambos nasceram e viveram até 1887. A cidade de Amarante é no norte de Portugal, conhecida pelo Caldo Verde e o vinho branco. Existem diversas freguesias circunvizinhas ao centro de Amarante. Que me parece por volta de 1880 não ofereciam nada ao não ser chácaras com uma agricultura quase de subsistência. Se preocupando com apenas o excesso para a produção do vinho do porto.

As Amarantes” era só o termo sempre usado pela minha avó, que provavelmente era o mesmo usado pela avó dela, revelando que ela era proveniente de uma freguesia próxima ou subordinada a esse espaço central. Sao diversas freguesias, localidades, cidadezinhas espalhadas por todo território. A freguesia de Mancelos me chama a atenção.

Em Mancelos havia um pintor Português muito importante chamado Amadeu de Souza-Cardoso, de uma família de burguesia rural, vinicultores e religiosos. Isso também coincidiu com a descrição da versão da minha avó sobre a família do seu avô. Esse pintor nasceu no mesmo ano do Joaquim, poderiam facilmente serem primos.

Caldo-Verde

Caldo-Verde, pequeno dejejum em Amarante

Maria, porém, era de uma família pobre. Se conheceram quando ela estava carregando na cabeça uma cesta cheia de agrião (o elemento principal no prato típico local, o famoso caldo verde). As famílias de ambos se opôseram ao romance, então eles decidiram vir para o Brasil. Aparentemente, eles navegaram por 2 meses. Deixando para trás Portugal, seus pais e irmãos. Minha avó não sabe quantos IRMÃOS sua avó tinha e nem se quer seus nomes.

No Brasil meu tataravô abriu um restaurante aonde hoje ergue-se o edifíci conhecido como Amarelinho. Recentemente descobri que esse espaço na Cinelândia entre a construcao do Amarelinho e a destruicao da Conventa D’ajuda, havia um Tivoli conhecido pelos cariocas como Mafuá. Mafaú é sinônimo de bagunça, desorganização ou mistura. Como o Tivoli de Copenhagen, o Parque centenário foi criado pra atender as classes burguesas e aristocrática carioca, mas com o tempo a moda passa ser o costumeiro do povão.

Joaquim e Maria tiveram seis filhos, todos meninos. O mais velho era o meu bisavô e seu nome era Antonio, mas todos o chamavam Arlindo. Joaquim era o segundo, apelidado de Quincas pra não confundir com o pai que também se chamava Joaquim; o terceiro era Álvaro; o quarto era o Avelino. O caçula também foi batizado de Antonio Pinto de Souza, o nome igual do meu bisavô. Ele próprio se tornou padrinho do seu irmão caçula.

Pneus Brasil RJ 2

Parque industrial de fábricas relacionadas com a borracha no final de Sao Cristóvao

Um carro atropelou o Joaquim na rua que a minha avó morava. Para SER MAIS preciso, isso aconteceu em frente a fábrica de artefatos de borracha, quando ele estava levando o almoço para o seu filho Quincas, que trabalhava na fábrica. O pobre do Joaquim ainda resistiu na cama do hospital por dois dias depois do acidente.

Dona Alzira recorda o dia da morte de seu avô como um dia de celebração e alegria. O corpo do avô foi colocado em uma carruagem puxada por quatro cavalos com plumas roxas no topo da cabeça.

Notas e referências:

Entre 1881 e 1991, mais de 1,5 milhões de pessoas migraram de Portugal para o Brasil. Deixando uma média de 16% da população do Rio de Janeiro de imigrantes portugueses durante o século XX.

Anúncios

Um comentário sobre “Tataravós

Qual seria a sua perspectiva sobre esse assunto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s