Cenas de sexta feira no centro de Stavanger


No ano de 2007 morreram 73 pessoas completamente solitárias na capital norueguesa. Fiquei sabendo através de uma ampla matéria publicada na revista dominical de um jornal dessa mesma capital. Jan Erik viveu sozinho toda a sua vida e no momento de sua morte se tornou um tanto especial. Adorei esse drama sobre pessoas pobres, solitárias e marginalizadas em Oslo.

Por acaso, quando comecei a esligacoes perigosastudar a língua oficial do país, dando uma lida em partes especiais do livro de língua norueguesa – aliás, um livro cheio de coisas, números e observações sobre a cultura da Noruega e seu povo – descobri que o nome mais repetido de um cidadão norueguës é Jan Erik.

Por aqui em Stavanger, naturalmente geral simpatiza com uma boa causa e não atacam ninguém com baixaria, pois somos um grupo comprometido. Há um organização de mulheres ligado aos jornais e a universidade, como também, a igreja, que se mete em causas feministas. Fico me perguntando se é pelas mulheres ou pela religião?

Por toda a minha vida pensei se as e as mulheres obtivessem aquela igualdade tao sonhada, no que se diz respeito ao salário e posição social, suas consideracöes seriam portanto sexo sem dor de cabeça e sem filhos. vida de mae é um trabalho em tempo integral e quando há um tempinho sobrando, o que se faze? Nós nos embelezamos. As mulheres se adornam contra o adversário. Atormentam-se com o sapato alto diariamente, vencem este mencionadmenininha livreo adversário (problema muito comum para a perda de popularidade) e são agraciadas com os serviços sexuais de homens! Conclusão: “Mulheres pensam com suas bolas”, ou essas coisas chamadas de ovários.

Eu gosto de coisas boas, acima de tudo, gosto da minha liberdade. O propósito nesse testículo não é criticar a conduta que se extravia da ideia original de certas instituições, mas reportar as minhas memórias da última sexta-feira na cidade. Fiquei intrigada com o que eu li no jornal de Stavanger: “pela cidade livre de pornografia!” O que realmente significa mais coisas proibidas que geralmente caem no mundo absurdo do mercado negro. 

Sobre a sexta-feira inesquecível, após a abertura da minha exposicao na galeria Mollerin, calibração no bar Gnu, depressão evocada na boite Cementen, celebrei o melhor peixe com fritas na frente à “atos de teatro ao vivo”. O destaque ficou com duas prostitutas envolvidas com idosos. Drama central:

As fritas caem no chão, imediatamente o velho em queda livre acompanha o acompanhamento do peixe.

Anúncios

Publicado por: This Leksus

Naturalmente carioca da gema. Levantei a bandeira da união dos estudantes em 1990. Depois que vi que a bandeira era tipo lilás, caí fora, mas mantive contatos do setor cultural aonde fui a curadora por 2 anos seguidos no periódico e da rádio interna. Essa mídia chegava à 2000 estudantes em 1992. Participei de cursos de pintura abstrata com Mollica (1947-2013) e desenho Modelo Vivo com Giancarlo Bonfanti na Escola de Artes Visuais do Parque Laje de 1987-1992 e em outros institutos de arte. Estudei na USU, UERJ & UFRJ, arquitetura e urbanismo, Educação artística & Figurino respectivamente. Meu primeiro projeto foi a fonte do Banco do Brasil com seu logotipo, nas dependências da Agencia I do Banco no Rio de Janeiro. Em 1995, cursei por um breve período a Escola Politécnica de Lisboa, aonde desenvolvi uma tese sobre o Manuelino. Muitas descobertas, e não parei de fazer cursos extras em outras grandes universidades cariocas. Senai Cetiqt, Universidade Candido Mendes, UIS (Noruega). Trabalhei com Alexandre Hercovich para Semana da Moda no Rio em 1997. Nos anos seguintes criei o cenário e costumes para a peça Frida Kahlo no Teatro do Museu do Catete. Nessa época comecei a trabalhar como Dj e me destaquei na área até 2010, quando decidi encerrar essa atividade e me dedicar a gravura & tradução. A partir de 2005, anualmente, faço instalações e exibições de pinturas, desenhos, edições de livros, mosaicos e gravuras. Em 2010 comecei a me infiltrar na área de tradução e interpretação, também como uma ação social. O que faz voltar intensamente para escrita e leitura, e me dispersar pra outras línguas, como dinamarquês, francês, italiano & espanhol.

Categorias cronicaTags, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , 1 comentário

Um comentário sobre “Cenas de sexta feira no centro de Stavanger”

Qual seria a sua perspectiva sobre esse assunto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s